19 de maio de 2017

Ato pelo "Fora Temer" reúne centenas de manifestantes no centro de São José dos Campos

19/5/2017 - São José dos Campos, a exemplo de outras capitais e cidades brasileiras, também foi palco de protestos nesta quinta-feira (18). Centenas de manifestantes tomaram as ruas do centro da cidade para exigir "Fora Temer".

A manifestação reuniu cerca de 200 pessoas, entre trabalhadores de várias categorias, estudantes, aposentados e ativistas de movimentos sociais. O ato foi organizado pelo Fórum de Lutas do Vale do Paraíba que, na luta contra as reformas do governo, tem unificado diversos sindicatos da região e centrais sindicais e realizado manifestações, como a Greve Geral no último dia 28/4. Entre as entidades que participaram do ato estavam os sindicatos dos Metalúrgicos, Químicos, trabalhadores dos Correios, Admap, oposição da Apeoesp, Movimento Mulheres em Luta, entre outros.

O protesto tomou as ruas da cidade poucas horas depois do pronunciamento do presidente Michel Temer (PMDB) que, na maior cara de pau, se negou a renunciar após o agramento ainda maior da crise política no país, com a delação da empresa JBS.

Contudo, não foi só Temer que foi alvo dos manifestantes. Aécio Neves e o Congresso de corruptos também foram lembrados e denunciados. Faixas e cartazes exigiram prisão e confisco dos bens dos corruptos e a retirada das reformas da Previdência e Trabalhista.

O PSTU participou em peso do protesto com sua militância e defendeu "Fora Temer, Fora Todos". O presidente municipal do partido, Toninho Ferreira, em sua fala, afirmou que só a mobilização dos trabalhadores poderá acabar com a bandalheira instalada no país.

O chamado à manifestação que promete ocupar Brasília na próxima semana, no dia 24, foi feito de forma unificada por todos os manifestantes. O Fórum de Lutas está organizando uma caravana que deve enviar dezenas de ônibus da região para a capital federal. Temer não quis renunciar, mas vai cair pela mobilização popular que é cada vez maior.

“O país só muda se colocarmos todos pra fora. Não adianta o Temer sair e colocar o Rodrigo Maia no lugar. São todos da mesma quadrilha que quer roubar os direitos dos trabalhadores, aprovando as reformas da Previdência e trabalhista. As manifestações têm de aumentar. Vamos ocupar Brasília no dia 24 e preparar uma nova Greve Geral, agora de 48 horas, para derrubar todos eles de uma vez e exigir Eleições Gerais sob novas regras já", disse.

"Acima de tudo, defendemos que os operários que produzem toda a riqueza é quem deve governar, Um governo que funcione através de Conselhos Populares, onde os trabalhadores e o povo pobre decidam democraticamente os rumos do país", disse Toninho.